For more extensive artist's bio, articles and list of exhibitions, visit artist(s) website(s). Many of the images displayed on this site are copyrighted, and are used here only for purposes of education or critical review. All rights are reserved by the artists who created the works referenced herein.

Painting is silent poetry, and poetry is painting that speaks. Simonides

Armando Sendin


I just love them ALL !



























Armando Sendin




Armando Moral Sendin (Rio de Janeiro 1928) é um pintor, ceramista, escultor, desenhista, gravador e professor brasileiro. 

Dedicou boa parte de sua vida a estudos: cursou a Escola de Belas Artes de Priego na Espanha por volta de 1940); filosofia na Universidade de São Paulo (1945 a 1949); especialização em estética, com Bogumil Jasinowsky, na Universidade do Chile (1950); e, como bolsista do governo francês, estética na Sorbonne, com mestre Souriau (1950 a 1953). Durante suas viagens, trabalhou com Gensoli na Manufatura Nacional de Sevres, França, e desenvolveu pesquisas com o ceramista Zuloaga e técnicas de cerâmica de origem oriental com Guardiola e com Gonzalez-Marti, na Espanha. Entre 1954 e 1964, deu cursos de pintura, cerâmica, escultura e desenho em seu estúdio, em São Paulo. Nessa mesma cidade, realizou sua primeira mostra individual, no Clube dos Artistas em 1960. Em 1965, publicou um livro didático intitulado Cerâmica Artística. Em 1982, recebeu o Prêmio Ribeiro Couto como destaque do ano em Artes Plásticas


























Biografia

"A Realidade Fragmentada de Armando Sendín

Aproximar-se do trabalho de Armando Sendin, é aproximar- se de uma dualidade de tanto que seus procedimentos artísticos cobrem duas direções, duas maneiras de conceber o mundo e expressá-lo.

Estamos, portanto, diante de um dos principais representantes do realismo brasileiro que ao mesmo tempo soube desenvolver, com grande inteligência, um trabalho eminentemente abstrato.

Este duplo aspecto de sua pintura é tão cheio de singularidade, em princípio, ao longo de sua carreira e que constitui a essência de seu compromisso estético.

Para ele, vamos dizer, a pintura é uma linguagem muito inclusiva, não deve apenas submeter à tirania de um determinado recurso estilístico. Ela serve para tudo, e todas as diferentes soluções plásticas não são apenas possíveis, mas também desejáveis.

Sendín, desde o seu início, foi capaz de compreender que o verdadeiro interesse no feito pictórico era conseguir uma identidade para o objeto. Mas, uma vez que a identidade pode ser capturada através da representatividade ou análise das suas estruturas, isto é, o conceito,
em ambas as direções tem sido definido um trabalho destinado à construção do formal e, em seguida, interpretar o real com precisão mais objetiva. Precisamente essa interação entre forma e realidade se coloca como o verdadeiro significado da sua arte.

Mas a pintura não só tem valor intrínseco, independente da representação real dos objetos, como Cézanne queria, mas por sua vez, o objeto é preenchido com um novo significado através da pintura, o que significa que não é o que o pintor quer dizer, mas o que o trabalho, o objeto representado, na verdade, diz. Devido a isto, não é apenas a análise, de exploração, agentes plásticos que determina a crucialidade para a construção de um espaço de trabalho.

O mundo da objetividade é também um mundo de significados, um sistema de equivalência entre as coisas de forma diferente, de acordo com Saussurre, que envolve, necessariamente, uma dualidade. Portanto, a chave para compreender o total da pintura de Armando Sendin.

Samson Flexor, referindo-se as primeiras pinturas de Armando Sendin fala de um continuum tributário abstrato-figurativa do misterioso. “Samson Flexor Sendin Fala ’4 Tribune 01 de agosto de 1967.

É preciso se redirecionar a partir deste caráter dual observado no início. Na verdade, em muitas de suas pinturas a definição dos elementos de cor, forma, tamanho, etc., depende de suas particularidades autônomas. Isso envolve um controle que responde ao surgimento de uma emoção interna e uso do expressionismo certo decorrente da faixa que produz a realidade externa no artista, perfeitamente observável através de manchas deliquescente e harmoniosas ,que tanto proliferam em seus guaches magníficos e definem claramente a ordenação abstrata de suas pinturas.

A imagem, neste caso, é uma forma aberta, indefinida, um lugar comum, mas acima de tudo um objeto. Os objeto refazem o olho, diz Octavio Paz a Marcel Duchamp ao responder que “o olho feito pelo obNo entanto, a identidade do objeto não é substituído por sua negação. O princípio da necessidade interior que Kandinsky em seu livro Uber das geistige inder Kunst (“Sobre o Espiritual na Arte”. Publicado em 1912) determina um certojeto”. As formas se diluem livremente, profundamente, como se elas mesmas governassem o sopro do trabalho. Diríamos que o artista se deixa convencer pelo conceito e dá-lhe a sua própria linguagem.

Uma linguagem impulsiva, sim, mas principalmente caracterizada por sua linha de capacidade evocativa e descontinuidade, como se fosse uma viagem que não leva a nada.

Motherwell, um pintor que também se conduzia pelo automatismo, observou que “a pintura é viajar à noite sem saber onde, a bordo de um navio desconhecido, em conflito absoluto com elementos do real.” É como se nos manifestasse que o autor simplesmente se deita na objetividade não mostrando ou deixando a sua marca no quadro para falar de si mesmo, e não com os sentidos, mas com ideias. O resultado nós sabemos: pintura, pintar apenas; rejeição cultura subconsciente do espaço ilusionista, imagens abstratas nascidos do acidente, mas também a busca de arquétipo, a alquimia de materiais e geometria dos sinais. Atividade interna pura que tenta eliminar a presença de um mundo objetivo de criar uma outra presença, para resolver o objeto em si, negando. Sentido a negação do mesmo objeto. Lembre-se do beco sem saída do Suprematismo de Malevich. O niilismo é uma cobra mordendo a própria cauda. Em qualquer caso, nunca qualquer experiência abstracionista revela a estrutura interna do objeto. O objeto também tem sentido. O olho-dizemos – é aquele que vê, mas o objeto é complementado nesse olhar. Daí, também, a necessidade de incorporar outros aspectos dessa realidade. Daí a importância da representação e da importância de influenciar o dogmatismo de algumas vanguardas, estetizada para substituir figuração narrativa, curiosamente, Armando Sendin informaliza certos casos.

Em suas pinturas, este novo aspecto da realidade (a realidade fora do objeto em oposição à sua realidade interior, ou o que é a abstração, mesmo contra figuração) funciona bem, ciente de sua maneira particular de criar um mundo de sonhos (surrealismo ou pintura fantástica), cobra uma revisão completa dos valores plásticos utilizados para formar o seu próprio estilo. Este sonho vem, como já foi dito, do exercício da automação, mas também a percepção e análise dos aspectos mais delicados do cotidiano. Suas composições intencionalmente são diluídas ou são abertas como se um véu que se rasga diante deles com o sopro de um mistério. Podemos dizer que a posição em uma outra presença, uma outra origem. Eventualmente evocam um mundo caótico que gradualmente supera algumas estruturas amorfas constituem iconografia do nosso tempo. A realidade foi, então, cortada, ou fragmentada, e é identificada sobre a noção de tempo como apenas momentânea. Em muitas pinturas de Armando Sendin é precisamente o momento em que o instantâneo é preso em uma fração de segundo, como a pupila de uma câmera teria congelado nos limites do espaço infinito e memória de um momento banal.

Mas esta representação, como veremos, não é um retorno ao passado ou procedimentos deve ser entendida como uma bolsa nova, mas é a exploração Simple Object e visão fragmentada, descontínua em outra realidade."





















No comments:

Followers

Blog Archive

Labels

Related Posts with Thumbnails